Peregrinação de Nossa Senhora Aparecida
22-Ago-2015

PEREGRINAÇÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA

 

A Diocese de Parnaíba iniciou os preparativos para a chegada, no dia 31 de agosto, da imagem de Nossa Senhora Aparecida à Parnaíba. A visita faz parte da peregrinação que celebra os 300 anos do encontro da imagem, no Rio Paraíba do Sul, em São Paulo, como também, os 70 anos da diocese de Parnaíba. A santa é a padroeira do Brasil.

A imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada por pescadores no Rio Paraíba do Sul, em São Paulo no dia 12 de outubro de 1717. A santa ficou conhecida pelo milagre presenciado por pescadores que sofriam com a escassez de peixe no rio onde ela foi encontrada. Depois de achada, nunca mais faltou peixe na região.

 

A nossa Paróquia, Nossa Senhora dos Remédios, será a 1ª a receber a imagem.  É com muito prazer alegria que a paróquia, CONVIDA A TODOS OS IRMÃOS E IRMÃS para abrilhantarem com suas presenças a chegada da imagem peregrina da Mãe de Aparecida em Piripiri. As COMUNIDADES são convidadas a chegarem com suas caravanas para uma bonita acolhida à imagem da Mãe de Deus.   

 

P R O G R A M A Ç Ã O

DATA:

 

·        Dia 31 de agosto de 2015.

  

Ø  17:00h: chegada em Brasileira – Carreata até Piripiri;

 

Ø  18:00h: Chegada em Piripiri – Carreata da entrada da cidade pela rua de cima até o Patamar de Igreja Matriz (algumas paradas);

 

Ø  19:00h: Santa Missa campal no Patamar da Igreja Matriz (CONTAMOS COM A PRESENÇA DE TODAS AS COMUNIDADES);

 

Ø  20:30h: Louvor, vigília... – Igreja Matriz. 

 

·        Dia 1º de setembro de 2015. 

 

Ø  06:00h: Reza do Ofício de Nossa Senhora;

Ø  12:00h: Santa Missa na Igreja Matriz;

Ø  14:00h: Entrega da Imagem na Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Comunidade Santa Clara, Germano.      

 

Paz e Bem!

 

 

Fr. Fernandes Henrique de M. Barros, OFM

 
Páscoa da Ressurreição - Cristo nossa Páscoa!
10-Abr-2015

Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos (Sl 18,24)

 

A ressurreição de Jesus é a certeza da vitória também para todo aquele que crê. N’Ele se realiza o desejo mais profundo do ser humano à verdadeira alegria e à verdadeira vida

 

Após quarenta dias de penitência, eis que brilha uma grande esperança. De fato, sem essa vitória sobre a morte, diz São Paulo, vazia seria a nossa pregação e vã a nossa fé. (Cf. 1 Cor 15,14). Por isso, estamos aqui para algumas reflexões na convicção de que a ressurreição de Jesus abre o horizonte da mais autêntica alegria, pois faz parte do plano de amor de Deus para vencermos a morte também nós e viver, já aqui, uma vida plena de sentido.

1.O lado humano e existencial da ressurreição. Nossa perspectiva se inicia na experiência humana cotidiana. Todos os dias vivemos, morrendo a cada instante vivido, mas cotidianamente ressuscitamos, do cansaço para o descanso, do sono para o despertar, da tristeza para a alegria, da dor para o remanso. Assim, renascemos a cada dia, a cada nova estação, a cada novo ciclo, a cada novo ano. Desse modo, podemos dizer que só se vive morrendo, pois somos sempre para o fim, dado que hoje vivemos no tempo. Mas para o cristão, só se vive também ressuscitando. A fé foi na ressurreição foi, para os discípulos, um aprendizado e intimidade com o Senhor. A partir daí, dizemos que a ressurreição faz parte da estrutura da vida daquele que vive da fé.

2. O lado divino da ressurreição. Em Jesus descortina-se o lado divino dessa profunda experiência humana chamada morte. “Se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, permanecerá ele só; mas se morrer produzirá muito fruto”. (Jo 12, 24). A ressurreição de Jesus realiza a aspiração mais profunda do ser humano a viver para sempre. N’Ele também nós somos mais que vencedores e a morte se torna travessia. Ele foi o primeiro a vencer o antigo inimigo e abriu a porta da verdadeira alegria, como Ele mesmo nos havia assegurado: “Eu vos disse isso, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa”. (Jo 15, 11). E a chave de leitura para ressuscitar sempre é o amor, razão de nossa alegria verdadeira. Somente Deus poderia vencer a morte, pois “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”. (Jo, 13, 1). O amor de Jesus pela humanidade o leva a superar a morte.

3.O aprendizado dos discípulos, nosso aprendizado. O evangelho do domingo de páscoa nos mostra a experiência da fé dos primeiros discípulos. De fato, “Eles ainda não haviam compreendido que, conforme a Escritura, era necessário que Jesus ressuscitasse dos mortos”. (João 0, 9). As expressões “bem de madrugada”, “primeiro dia” e “a pedra removida” nos mostram a busca de Maria Madalena “primeireando”, saindo em busca de respostas. Mas o sepulcro vazio apenas lança dúvidas, pois ela corre e diz aos discípulos “Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”. Ela corre porque ainda não sabia o que era a ressurreição. Embora buscasse, ainda não tinha a fé na vitória de Jesus. A resposta dos discípulos foi imediata. Eles também correram. Foram em direção ao sepulcro. Eles correm por amor, pois haviam perdido o Senhor. João viu e acreditou. Ver significa fazer a experiência da intimidade com Jesus. Quando, mais tarde, os discípulos disseram a Tomé “Nós vimos o Senhor!” (Jo 20, 24), era porque experimentaram, no mais profundo, a intimidade da fé no ressuscitado. Somente a partir da intimidade com Jesus, damos o passo para viver da fé. As palavras de Maria Madalena aos discípulos mostram claramente que ela pensava que tinham roubado o corpo do Senhor. Esse é o primeiro impacto sobre a comunidade e a faz reagir. Se, por um lado, o túmulo vazio convida à fé na ressurreição, por outro, é a intimidade com Jesus, a experiência das aparições, que leva a comunidade a amadurecer a fé na ressurreição. Também nós vamos aprendendo, em comunidade, a viver da fé na ressurreição, na intimidade com Jesus e na vivência do amor.

Alegremo-nos e exultemos. A ressurreição de Jesus é a certeza da vitória também para todo aquele que crê. N’Ele se realiza o desejo mais profundo do ser humano à verdadeira alegria e à verdadeira vida. Por isso, ele mesmo nos havia dito “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”. (Jo 14, 6). Desejo a todas as mulheres e a todos os homens uma feliz e santa páscoa. Uma páscoa de intimidade com o Senhor, uma páscoa com espírito, uma páscoa com encontro e muita paz.

 

Padre Márcio Paiva
Artigo originalmente publicado no NS Rainha Informativo

 

 
Semna do Calvário - Semanana Santa - Semana da Paixão
30-Mar-2015
 
<< Início < Anterior | 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 | Próximo > Final >>

Resultados 1 - 3 de 206

Hino

Enquete

Você sabe qual o TEMA da Campanha da Fraternidade 2012?